24 de mar de 2012

Aquele em que eu sou ridículo

Eu fui uma criança muito tímida na infância, não falava direito com as pessoas e mal abria a boca. Conhecer pessoas foi um obstáculo que eu superei no período colegial-faculdade. Meus anos de colegial até meus primeiros semestres da faculdade foi a época em que eu me libertei do casulo. Em todos os sentidos possíveis (?).

Hoje em dia dizem que eu ainda tenho certos problemas com pessoas. Não em conhecê-las. Não. Na verdade eu até me acho bem sociável, quase extrovertido. Meu problema não é conhecer pessoas, meu problema é ignorar algumas delas.

No corredor da faculdade, uma vez, veio Bruno trazendo um garoto que eu não conhecia, vindo em minha direção.

"Ei, Jorge, esse aqui é o namorado da Sicrana."

"Ah, oi." Sem desacelerar o passo, dizendo isso, eu passo pelos dois e vou embora, sem dizer mais nada.

Ainda hoje Bruno conta essa história pra todo mundo como exemplo do quanto eu sou ridículo.
Mas eu não faço por mal, gente.
Juro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário